A partir do dia 1º de Junho até 15 de Outubro, movimentos sociais organizados em todos os continentes estarão mobilizados na Jornada Internacional de Ação Solidária com o Haiti. Entre várias demandas, a Jornada pede o fim da Minustah no país caribenho, para garantir a soberania do povo haitiano que, há décadas, sofre com processos de invasões, cujas consequências são sentidas até hoje. Confira a convocatória:

campanha-haiti-pt-br

POR UM HAITI LIVRE E SOBERANO

MOBILIZAÇÃO DE 1º DE JUNHO A 15 DE OUTUBRO!

Pelo fim da MINUSTAH e toda ocupação no Haiti

Pela desmilitarização de Nossa América

O povo haitiano está em luta contra o imperialismo dos Estados Unidos e seus aliados. Mobilizações populares de 2015/16 têm posto em xeque os planos da chamada “comunidade internacional”, forçando a saída do ex-presidente Martelly e anulação três vezes seguida do segundo turno eleitoral, exigidos a partir do exterior, mesmo contando com um único candidato. Apesar da recusa dos EUA, conseguiram iniciar um processo de verificação do escrutínio de 2015, descrito como fraudulento, com o resultado ainda em aberto.

Neste contexto, o Conselho de Segurança da ONU se prepara para decidir sobre o futuro da MINUSTAH – Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Esta força multilateral, com maioria das tropas oriunda da América Latina, ocupa o Haiti desde 1 de junho de 2004, após o primeiro golpe deste novo milênio contra um governo eleito em Nossa América. O seu atual mandato termina em 15 de outubro de 2016.

O Haiti não é uma ameaça à segurança hemisférica, tal como afirma o Conselho de Segurança para manter a MINUSTAH. É um exemplo de resistência contra a ocupação e saques que se manifestam através do desconhecimento quanto à institucionalidade democrática, do desperdício de recursos coletivos através do modelo de sobre-consumo, da apropriação terras camponesas, da destruição dos bens comuns e ecossistemas, do aprofundamento da dependência alimentar, financeira, comercial e energética e da mercantilização da vida.

Cada vez mais setores haitianos denunciam a ingerência estrangeira em seu país, o fracasso dos objetivos anunciados pela MINUSTAH e até mesmo o seu papel no agravamento da crise haitiana. Mas os EUA agora procuram prorrogar o seu mandato e o Canadá se dispõe a assumir o comando de uma nova etapa, descaradamente ligada à “proteção” de seus investimentos na megamineração, turismo de luxo, montadoras, agronegócio de exportação, um paraíso fiscal.

O Haiti é um laboratório de novas fórmulas do imperialismo norte-americano para recuperar o controle político e reconstruir sua hegemonia no continente enfrentando a grave crise do sistema capitalista. Assim, a retirada das tropas estrangeiras do Haiti – começando com as latino-americanas – e colocar um fim à MINUSTAH devem ser eixos de um movimento unitário de protestos populares que precisam paralisar esta ofensiva, expondo os padrões existentes de ocupação econômica, midiática, jurídica e militar e avançar na construção de alternativas libertadoras.

Por isso, chamamos para uma Jornada Continental de Ação Solidária no dia 1º de Junho de 2016, e continuar reforçando ainda mais as manifestações até 15 de Outubro, unidos ao povo haitiano em sua luta para conseguirmos :

  • a retirada imediata das tropas de ocupação no Haiti;

  • o desmantelamento completo da MINUSTAH que mina sua soberania e trouxe imenso sofrimento ao povo do Haiti;

  • que a ONU reconheça a sua responsabilidade criminosa na introdução do cólera e indenize o país e as famílias dos 9.000 homens e mulheres a quem esta epidemia matou;

  • que a ONU invista recursos adequados para a erradicação do cólera e para provisão de infraestrutura que garanta o acesso universal à água potável;

  • respeitar o desenvolvimento do processo eleitoral, de acordo ao estabelecido nas instâncias administrativas locais, sem as pressões externa para o cumprimento dos prazos que só atendem aos interesses das agendas intervencionistas

  • o desmonte de todas as bases militares imperialistas no continente e o respeito à América Latina e ao Caribe como zona de paz;

  • combater os processos de desestabilização e de golpes anti-democráticos, a criminalização das lutas sociais, assassinatos seletivos e violação dos direitos humanos, dos povos e da natureza, em toda a região.

Convocamos a realizar de 1º de Junho até 15 de Outubro em todos os cantos do nosso continente, ações de vários tipos para dar visibilidade à luta do povo do Haiti, mostrar nossa solidariedade a este povo e pressionar para o cumprimento de suas exigências. Assim, convocamos a organização de:

  • Manifestações, piquetes, marchas

  • Rádio-abertas, mesas de discussão, apresentações de vídeo

  • Petições, cartas, declarações

  • Entrevistas com líderes de parlamentares e dos poderes executivos

  • Eventos locais, nacionais e sub-regionais

Convocamos a apoiar também o Tribunal popular antiimperialista que se acontecerá no Haiti, entre 28 de Julho e 17 de Dezembro de 2016, aprofundando sobre as consequências criminosas da ocupação centenária do país e reforçando as respostas populares.

O povo do Haiti continua a oferecer, desde o fim do século XVIII, alternativas transformadoras de libertação e igualdade. Ofereçamos, então, a este povo nosso respeito e solidariedade.

Viva a autodeterminação dos povos

Abaixo o neoliberalismo e a guerra

Viva a proteção e defesa dos nossos bens comuns

Viva a soberania alimentar, energética e financeira

Viva a agricultura camponesa agroecológica

Viva América Latina e Caribe como zona de paz

CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE HAITI NÃO MINUSTAH

haiti.no.minustah@gmail.com

https://haitinominustah.info

FB: Haiti.no.minustah

@HaitiNoMinustah

https://i0.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2016/06/campanha-haiti-en-us-1.jpg?fit=1024%2C242https://i0.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2016/06/campanha-haiti-en-us-1.jpg?fit=150%2C36sepla haitiAmérica LatinacampanhasCapítulo Haiti em PortuguêsA partir do dia 1º de Junho até 15 de Outubro, movimentos sociais organizados em todos os continentes estarão mobilizados na Jornada Internacional de Ação Solidária com o Haiti. Entre várias demandas, a Jornada pede o fim da Minustah no país caribenho, para garantir a soberania do povo haitiano que,...Sociedade de Economia Política Latinoamericana