Membros de uma coalizão que compreende as organizações de professores do Canadá, Estados Unidos e México falaram a uma só voz no último domingo, denunciando o governo do México por atrozes violações de direitos contra os professores.

Uma resolução muito severa foi aprovada por unanimidade na sessão plenária de encerramento da 12ª  conferência bienal da Coalizão Tri-nacional em Defesa da Educação Pública, realizada na UBC entre os dias 12 e 15 maio de 2016. Nela, os delegados pediram ao governo do presidente Enrique Peña Nieto para assumir a responsabilidade do Estado e da Polícia mexicanos nos desaparecimentos dos 43 estudantes normalistas de Ayotzinapa, no estado de Guerrero.

A resolução vem apenas duas semanas após a divulgação de um duro relatório por um painel de peritos forenses da Comissão Interamericana de Direitos humanos, que disse que o governo mexicano bloqueou sua investigação sobre o aparente massacre dos estudantes, com efeito garantindo impunidade para os responsáveis.

A conferência reuniu sindicalistas de professores dos três países, incluindo o Presidente do BCTF Jim Iker, o Presidente da Federação de Professores do Canadá, Heather Smith, assim como os líderes de sindicatos provinciais de professores em Ontario, Quebec, Nova Scotia, New Brunswick, e Newfoundland. Iker disse que os sindicalistas canadenses têm um mesmo sentimento de admiração por seus homólogos mexicanos, que devem sacrificar tanto e assumir tão graves riscos pessoais em seu trabalho.

“Como turistas, muitos de nós desfrutamos da beleza do México e do calor do seu povo, mas não vemos a terrível pobreza e injustiça lá”, disse Iker. “Mas através do nosso trabalho com a Coalizão Tri-nacional ao longo de mais de 20 anos, aprendemos como os professores de todo o México enfrentam repressão só porque eles falam por seus direitos laborais e os direitos de seus alunos a uma boa educação.”

Os delegados da conferência também expressaram seu apoio às dezenas de milhares de professores mexicanos que estão em greve a partir de hoje. 15 de maio é o Dia do Professor no México. A greve foi lançada em um esforço para convencer o governo a revogar uma série abrangente de mudanças constitucionais e reformas educacionais que estão devastando a educação pública.

Professores em greve da Cidade do México, Guerrero, Oaxaca, Veracruz, Chiapas, e outros estados que são membros do dos professores de união, CNTE, exigem:

  • Liberdade para os presos políticos encarcerados por defender a educação pública
  • Fim à repressão dos professores indígenas
  • Reintegração de 3.360 professores recentemente demitidos por protestar contra as reformas do governo.
  • Fim da criminalização da oposição dos professores às reformas.
  • Interrupção dos ataques aos direitos trabalhistas.

 

A Coalizão Trinacional também instou o governo mexicano a respeitar o conhecimento e a experiência profissional dos seus professores e a acabar com a privatização da educação pública.

traduzido e republicado de BC-Teacher Info.

 

https://i1.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2016/05/2016-05-campaña-professores-mexico-e1467745108474.jpg?fit=1024%2C604&ssl=1https://i1.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2016/05/2016-05-campaña-professores-mexico-e1467745108474.jpg?fit=150%2C88&ssl=1SEPLAAmérica LatinacampanhasCapítulo México em Português  Membros de uma coalizão que compreende as organizações de professores do Canadá, Estados Unidos e México falaram a uma só voz no último domingo, denunciando o governo do México por atrozes violações de direitos contra os professores. Uma resolução muito severa foi aprovada por unanimidade na sessão plenária de encerramento...Sociedade de Economia Política Latinoamericana