Coloquio (Conversatorio) “Miradas Constituyentes sobre lo Económico en la Nueva Constitución”

Data/hora: quinta 4 de novembro, 19:30 a 21:00 hrs.

 Iniciativa 
“O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile”
(8 de outubro de 2021)

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

A demanda popular por uma Nova Constituição e o apelo à instalação de uma Assembleia Constituinte livre e soberana começaram a tomar forma quase ao mesmo tempo que a ditadura cívico-militar ditava a Constituição de 1980, que tem regido os nossos destinos em nas últimas quatro décadas, com uma série de pequenas reformas.

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

 Iniciativa 
“O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile”
(8 de outubro de 2021)

A demanda popular por uma Nova Constituição e o apelo à instalação de uma Assembleia Constituinte livre e soberana começaram a tomar forma quase ao mesmo tempo que a ditadura cívico-militar ditava a Constituição de 1980, que tem regido os nossos destinos em nas últimas quatro décadas, com uma série de pequenas reformas.

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

 

 Iniciativa 
“O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile”
(8 de outubro de 2021)

A demanda popular por uma Nova Constituição e o apelo à instalação de uma Assembleia Constituinte livre e soberana começaram a tomar forma quase ao mesmo tempo que a ditadura cívico-militar ditava a Constituição de 1980, que tem regido os nossos destinos em nas últimas quatro décadas, com uma série de pequenas reformas.

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

 

 Iniciativa 
“O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile”
(8 de outubro de 2021)

A demanda popular por uma Nova Constituição e o apelo à instalação de uma Assembleia Constituinte livre e soberana começaram a tomar forma quase ao mesmo tempo que a ditadura cívico-militar ditava a Constituição de 1980, que tem regido os nossos destinos em nas últimas quatro décadas, com uma série de pequenas reformas.

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

 

 Iniciativa 
“O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile”
(8 de outubro de 2021)

A demanda popular por uma Nova Constituição e o apelo à instalação de uma Assembleia Constituinte livre e soberana começaram a tomar forma quase ao mesmo tempo que a ditadura cívico-militar ditava a Constituição de 1980, que tem regido os nossos destinos em nas últimas quatro décadas, com uma série de pequenas reformas.

A eclosão social de outubro de 2019 é em grande parte uma extensão dessa demanda popular e sua convergência decisiva com múltiplas lutas setoriais, o que por sua vez marca uma mudança significativa no desenvolvimento da consciência social e nos níveis ainda fragmentários de organização social para transformar a sociedade herdada da ditadura e administrada nas últimas três décadas por governos em um binômio chave (social-democracia e direito).

Neste quadro, a Convenção Constitucional é um espaço de disputa política e ideológica que não pode se fechar sobre si mesma, mas deve ser entendida como parte de uma luta mais ampla e prolongada em que os setores anti-neoliberais e anti-capitalistas devem avanço na rearticulação e construção social de um novo projeto histórico liderado pelo povo em suas diversas expressões, trabalhista, estudantil, feminista, socioambiental, plurinacional, entre outras.

Em matéria propriamente constitucional, uma das grandes lacunas nos setores de esquerda, movimentos sociais e povos indígenas representados na Convenção Constitucional é a reflexão sobre o Econômico que deve estar presente na elaboração da Nova Constituição. O que alguns constitucionalistas chamam de Constituição Econômica e que a doutrina legal se refere como Ordem ou Regime Econômico Público .

Não se trata de um problema disciplinar, mas sim de reconhecer a necessidade dos mecanismos e instituições a serem gerados na Nova Constituição que permitam a passagem da ordem comercial hierárquica hoje vigente para a constituição de uma forma social horizontal , onde é permitido rediscutir tanto os processos de produção e reprodução da vida social, e como os Seres Humanos interagem entre si e com a natureza, para satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, materiais e imateriais.

Debates em torno do reconhecimento do trabalho não remunerado e papéis de gênero na sociedade capitalista e patriarcal; extrativismo-rentismo e a crise ambiental e climática; e a autodeterminação e soberania dos povos indígenas são atravessadas por aspectos ideológicos e doutrinários constitucionais onde o Econômico é um aspecto central em sua articulação e na possibilidade de mudança e emancipação. Outras questões “ausentes”, como o papel do Banco Central e seu status , ou os limites das políticas econômicas “despolitizadas” (monetária, fiscal, industrial, de desenvolvimento e planejamento territorial, etc.), como bem como suas condições dadas pela forma de integração da economia chilena no mundo e os acordos comerciais de livre comércio, fazem parte da mesma preocupação para o Econômico .

Desta forma, tais debates estão diretamente relacionados aos problemas dos trabalhadores e de todas as pessoas que lutam pela sobrevivência diante das ações destrutivas desenfreadas do capitalismo neoliberal chileno e global que coloca a humanidade no limite em relação à em si. E isso atualmente está vinculado à possibilidade de formar uma sociedade construída sobre o código da vida : respeitar, promover e cuidar da harmonia e do equilíbrio na reprodução sociedade-natureza e nas inter-relações humanas.

Embora esta iniciativa esteja aberta a um público diversificado, o seu objetivo especial é chegar aos constituintes que se opõem à comercialização total e às suas equipes de trabalho mais próximas, para tentar influenciar diretamente o debate sobre

das normas constitucionais.

Do lado da organização e da chamada, a definição é muito simples: a atividade em si e seus produtos específicos interessam mais do que quem organiza e quem liga. A propósito, aqueles de nós que assumimos este compromisso em torno da iniciativa assumimos a responsabilidade pela sua implementação, pela sua continuidade durante o período de extensão da Convenção Constitucional, e pela elaboração de propostas concretas sobre as normas constitucionais. Quanto maior e ampla for a adesão e o apelo, maior será a abrangência e eficácia desta iniciativa.

Atividades

  • Debate inaugural “O Econômico na Constituição de 1980”
    Data / hora: quarta-feira, 13 de outubro, das 19h30 às 21h00

Inauguração: Julio Gambina

Participantes: Claudio Lara – David Debrott

  • Palestra central e comentário “O debate econômico na Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia: lições para o Chile”
    Data / hora: quarta-feira, 20 de outubro, das 19h30 às 21h00

Participantes: Teresa Morales (Bolívia) – Comentário: Julio Gambina (Argentina)

  • Colóquio (Conversa) “Visões de organizações sócio-políticas sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data: Quarta-feira, 27, das 19h30 às 21h00

Participantes: Carlos González-Carrasco (EcoHumanas), Cristian Cuevas (Porta-voz Nacional da Frente Unitária dos Trabalhadores-FUT), Francisca Rubio (8M-Concepción), Luis Mesina (NO + AFP)

  • Colóquio (Conversa) “Visões Constituintes sobre o Econômico na Nova Constituição”
    Data / hora: quarta-feira, 3 de novembro, das 19h30 às 21h00

 

  • Debate sobre o papel e a situação do Banco Central – Mesa Latino-americana
    Data / Hora: terça-feira, 9 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

  • Debate sobre papel e situação do Banco Central – Mesa local
    Data / Hora: quarta-feira, 10 de novembro, das 19h30 às 21h00

Em organização

** Outras atividades na organização

RRSS e plataformas de transmissão

Transmitido pelo Facebook da Unidad Social (https://www.facebook.com/unidadsocialch/), e simultaneamente pela RRSS da SEPLA (https://sepla21.org/). É gravado e permanece no Facebook.

Convocam

Sociedade para Economia Política e Pensamento Crítico da América Latina (e Caribe) – SEPLA (https://sepla21.org/)


Asamblea Popular Constituyente (APC) – Unidad Social (https://asambleapopularconstituyente.cl/)


Internacional de Servicios Públicos – ISP (https://publicservices.international/?lang=es)


Universidad Abierta de Recoleta (https://www.uar.cl/)


Ecoss de Barrio (https://www.facebook.com/ECOSSdeBarrio/)


EcoHumanas (http://www.ecohumanas.cl)


MEGA2
Movimiento 8M Concepción (https://www.facebook.com/8mconce/)


Confederación Nacional de la Pequeña Industria y Artesanado de Chile – CONUPIA (https://www.conupia.cl/)


Agrupación de Derechos Humanos de Maipú (https://www.facebook.com/Agrupaci%C3%B3n-Derechos-Humanos-Maip%C3%BA-883666025307049/)


Confederación Democrática de Profesionales Universitarios de la Salud – CONFEDEPRUS (http://www.confedeprus.cl/)


Confederación Nacional de Funcionarios de la Salud Municipal – CONFUSAM (https://confusam.cl/web/)


Confederación Nacional de Profesionales Universitarios de los Servicios de Salud, Metropolitana –FENPRUSS Metropolitana (https://fenpruss.cl/?page_id=731)

Convidamos organizações e instituições sociais a participar da convocatória, enviando um e-mail com seus dados e contato*

* Enviar a ddebrott@yahoo.es

https://i2.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2021/11/2021-11-04-constituyente-chile-1.jpeg?fit=1024%2C1024&ssl=1https://i2.wp.com/sepla21.org/wp-content/uploads/2021/11/2021-11-04-constituyente-chile-1.jpeg?fit=150%2C150&ssl=1SEPLAAmérica LatinacampanhasCapítulo Chile em PortuguêsEventos  Coloquio (Conversatorio) “Miradas Constituyentes sobre lo Económico en la Nueva Constitución” Data/hora: quinta 4 de novembro, 19:30 a 21:00 hrs. Iniciativa “O econômico na nova constituição, de e para os povos do Chile” (8 de outubro de 2021)   Iniciativa “O econômico na nova constituição, de e...Sociedade de Economia Política Latinoamericana